O Mundo é Seu

Chichén Itzá: Pirâmide Maia, uma das maravilhas do mundo

Chichén Itzá, a cidade dos feiticeiros da água, é uma parada obrigatória para quem visita Cancún, Tulum ou Playa Del Carmem. Além de excursões que saem das cidades, muitos como eu preferem alugar um carro e ir por conta própria desbravando o México. Nessa página, conto um pouco sobre minha viagem para o México e as cidades pelas quais passei.

Chichén Itza

Chichén Itzá: uma das novas 7 maravilhas do mundo moderno

Se o título te chamou atenção, espera um pouco que existe um erro nele! Chichén Itzá, o complexo, é um sítio arqueológico tombado pela UNESCO como Patrimônio Mundial da Humanidade. A pirâmide que existe dentro dele, a Pirâmide de Kukulcán, é a quinta maravilha do mundo moderno, ao lado de outros monumentos como o Cristo Redentor e a cidade de Machu Picchu.

Todo o complexo é magnífico, vale a pena cada minuto ali dentro, mesmo com hordas de turistas aparecendo em suas fotos a todo momento.

Atrações presentes em Chichén Itzá

Essa região possui sítios arqueológicos, ruínas antigas e até mesmo cenotes, que são consideradas sagradas dentro da cultura Maia e, ao todo, possuem 16 prédios dentro de todo o perímetro.

Agora, confira quais são as 3 principais atrações que você terá o prazer de conhecer e aproveitar neste lindo lugar!

Praça das mil Colunas

A primeira atração presente em Chichén Itzá que vou citar aqui, é a Praça das Mil Colunas, um local que era o principal mercado da cidade.

Você poderá encontrar nesta atração uma ampla área contendo mil pilares que sustentavam a estrutura construída naquele tempo. Vale a pena conhecer esse local e tirar diversas fotos, afinal, não é sempre que vemos uma estrutura antiga tão grande.

chichén itzá

Cenote sagrado

Para quem não sabe, um cenote é uma cavidade natural que se assemelha a um poço. O Cenote Sagrado dessa atração fica um pouco afastado dos edifícios históricos Maias, mas com certeza conhecer, e vê-lo com seus próprios olhos, será uma experiência de vida única.

Além de ter muitas histórias envolventes cheias de mistério que cercam esse cenote, um dos principais pontos é que esse poço era utilizado para rituais maias, onde jogavam pertences como oferenda para cultuar o deus da água.

Pirâmide de Kukulcán

A Pirâmide de Kukulcán é, provavelmente, uma das atrações que mais atrai aventureiros neste destino, então para você conseguir aproveitar bem as paisagens e também ter o privilégio de andar sem a muvuca, chegue cedinho, porque depois de um certo horário o fluxo de turistas é gigantesco.

Essa pirâmide foi construída sobre uma escadaria central enorme, e projetada para os Maias realizarem adoração ao deus Kukulcán. A pirâmide, até mesmo nos dias atuais, está bastante preservada e é alvo de mistérios por conta dos cortes feitos nas pedras que a formam.

Provavelmente quando você for visitar Chichén Itzá, essa pirâmide será um dos primeiros pontos turísticos que você verá.

 

O que significa Chichén Itzá?

O nome Chichén vem de “boca do poço” ou “perto do poço” e Itzá refere-se a quem o fundou, as Itzáes, “feiticeiras da água”, por volta do ano 435. Seria algo como “perto do poço do povo Itzá”, referindo-se ao cenote próximo.

O sítio arqueológico era um tempo sagrado e uma cidade de peregrinação e por muitos séculos foi palco de uma das culturas mais fantásticas das Américas.

História de Chichén Itzá

Os maias dominavam a região de Yucatã, onde Chichén Itzá está, as selvas de Chiapas, Guatemala, Honduras e Belize. Muita gente acha que eles dominaram o México todo, mas na realidade estavam bem concentrados na América central.

Entre os séculos 3 e 10, foram erguidas cidades como Tikal, Copán, Quiriguá, Palenque e Piedras Negras.

Palácio do governante - Palenque, México
Palácio do governante - Palenque, México

Os povos colonizaram a área de Chichén Itzá por volta do ano 400 dc. Grupos de camponeses vindos de onde é Campeche ou Tabasco se estabeleceram ali por causa dos cenotes que tinham água potável, solo bom para cultivo e pedras para construção.

Existem registros de populações humanas na área em 400 ac. mas a história de Chichén Itzá inicia-se no período posterior.

O cenote sagrado de Chichén Itza

cenote sagrado de Chichén Itza

O Cenote Sagrado era o centro das atividades religiosas, não só da cidade de Chichen Itza, mas de toda a região de Yucatã.

Ele mede em torno de 60m de diâmetro com 13m de profundidade. Esse cenote recebia as oferendas dos maias, de sacrifícios a objetos de cobre, ouro, tecido e jade.

Primeiras construções de Chichén Itzá

As primeiras estruturas do local foram construídas entre perto de 400dc em honra do deus Chaac e foram decoradas com várias máscaras dessa divindade, tudo no estilo chenes.

Essas estruturas que lembram um palácio foram utilizadas pelas Itzáes e batizada pelos espanhóis de convento, por se parecer com as estruturas católicas da Europa.

Convento - Chichen Itza

Chichén Itzá começa assim a receber nativos que adoravam a divindade e, como área religiosa, recebeu novas construções: o Ossário, um Túmulo para o Grande Sacerdote, o Tempo dos Veados, a Plataforma do Caracol, a Casa Vermelha e algumas plataformas anexas.

Nas últimas décadas da primeira época, Chichén Itzá é abandonada pelos nativos e sua população reduz consideravelmente. As estruturas acabam sendo chamadas de Chichén Viejo devido a nova onda que vem em seguida.

Renascimento de Chichén Itzá

A partir do fim desse primeiro período, por volta de 800dc, novas comunidades chegam à região vindas do norte da América Central, trazendo influências toltecas começam a construir mais ao norte da primeira área. Eles conheciam e já tinham se misturado culturalmente com os astecas, outra cultura do norte, responsável pela construção da cidade de Tenochtitlán, atual Cidade do México.

Essa é a área onde está a Chichén Itzá que hoje conhecemos. Na grande esplanada foram construídas algumas estruturas como um mirante com as quatro direções que serviu de base para a pirâmide de Kukulcán, Templo dos Guerreiros, o Templo dos Jaguares e o conjunto de Mil Colunas.

Templo dos Guerreiros - Chichén Itza
Templo dos Guerreiros - Chichén Itza

Kukulcán era a versão maia do deus asteca Quetzalcóatl, a serpente emplumada. Para os maias “kukul” significa sagrado ou divino e “kan” significa serpente.

Nesse mesmo período em Chichén Itzá, foi criado o maior campo de jogo de pelota da Mesoamérica, os templos sul e norte, tempo das onças, o observatório ou caracol e estradas que ligavam ao Cenote Sagrado, palco de oferenda por séculos.

O mirante recebe também uma ampliação se tornando a pirâmide que conhecemos hoje. A antiga estrutura fica no seu interior guardada pela nova fachada. Estudos recentes mostram que debaixo da pirâmide existe um cenote.

Liga Mayapán: Aliança militar com Chichén Itza

Naquela época, os maias costumavam entrar em guerra, cidades contra cidades e povos contra povos por causa de território. Engana-se quem achava que todos os maias seguiam um único governante.

Em 987 três grandes cidades fizeram uma aliança militar para se protegerem. Uxmal, Mayapán e Chichén Itza se juntaram sobre o comando da última defendendo o território. Durante décadas essa aliança sobreviveu até que um desacordo rompeu os laços.

Mayapan - Mérida, México
Mayapan - Mérida, México

Mayapán assumiu o controle da região e os Itzáes foram exterminados e expulsos para áreas onde hoje é a Guatemala. A cidade de Chichén Itzá entrou em declínio e em 1300 foi abandonada como moradia, sobrando somente o lado religioso.

Chegada dos espanhóis

Os espanhóis só chegaram a Yucatán em 1517, mas as populações maias estavam morando em pequenas áreas rurais e as cidades já tinham sido abandonadas. Alguns lugares ainda eram considerados sagrados, mas não eram mais habitados.

1892 - Descoberta de Chichen Itza
1892 - Descoberta de Chichen Itza

Muitos deles estavam destruídos, com a selva já tomando conta das cidades. Vale lembrar que por mais de um século a natureza pode retomar as áreas antes ocupadas. Chichén Itza só foi descoberta em 1892!

Hoje o que vemos foi e está sendo reconstruído, algumas das peças se perderam no tempo para sempre. A própria pirâmide só tem os dois lados mais famosos, que aparecem nas fotos, reconstruídos porque foi necessário peças do outro lado para deixá-la como está hoje.

Finalmente conhecemos mais sobre Chichén Itzá, e também sobre algumas das melhores atrações disponíveis neste local.

Caso tenha alguma dúvida, deixe nos comentários que ajudamos a responder 😉

Luis Moura

Minhas redes fora do blog ;)

Quem sou eu

Prazer, Luis Moura. Sou publicitário de corpo e alma e geminiano dos mais loucos, nasci inquieto. Perdido entre os canais de viagem da tv e livros de história decidi vencer o medo e colocar o pé na estrada. A primeira em 2003 e a partir daí não parei mais. Por aqui desde 2016 quando a ajuda aos amigos para montar seus planos de viagem viraram coisa séria.

Precisa de ajuda?
Me chama!

As vezes pode demorar um pouquinho para responder. Se eu souber responder, será um prazer ajudar.

Compartilhe ou salve para ver depois

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Imprimir
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nesse post
falaremos sobre

Relacionado a
esse assunto

Segue a gente aí

Dá uma olhada
nesse conteúdo:

Sobre cookies, processamentos e seus dados pessoais

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Nossa política de privacidade está disponível aqui. Esse pop-up não aparecerá novamente mas esse link está disponível no rodapé das páginas.